Filosofia de Botequim

Da organização…

Tenho tantas coisas para partilhar no Botequim, mas não tenho tido tempo. Tenho andado extremamente desorganizada com os meus afazeres, e começo a ficar com algumas coisas para trás.

Queria partilhar o que achei o livro “Mindset” de Carol Dweck, assim como partilhar as coisas incríveis que ando a aprender neste primeiro ano de doutoramento. Não falo apenas em conhecimento académico, mas e sobretudo, conhecimento humano.

Não sei como aconteceu, mas aos poucos fui resvalando e deixando algumas coisas para trás. Por isso preciso de me organizar de forma a poder vir a este espaço. Este é, definitivamente, um volto já.

Citação de Maya Angelou: Encontrado em losing-every-extra-pound.tumblr.com

Citação de Maya Angelou

Standard
Sabores na Cozinha do Botequim

Sopa ou molho?

Com tantas coisas para fazer, perco um pouco a mão a minha organização das refeições. No outro dia fui dar com uma série de tomates e uma beringela guardadas, e nem me lembrava que os tinha comprado.

Para quem me conhece, sabe que sou uma apreciadora de molho de tomate com massa. Na verdade se me dessem a comer apenas o molho de tomate seria a pessoa mais feliz no planeta. Acho que é a minha “comfort food” de eleição. O molho de tomate que faço é simples mas para o meu paladar, ele tem de ficar um bom tempo no fogão.

Para ultrapassar o problema do tempo e utilizar a beringela decidi por todos os ingredientes no forno, regados com azeite e temperados com sal e pimenta. O tomate assado fica com um sabor muito mais intenso do que simplesmente cozinhado no fogão. Depois dos legumes assados, foi tentar recriar um pouco o sabor. A adição da beringela torna o molho mais espesso do que o molho de tomate tradicional e o sabor não é igual ao do simples molho de tomate. No entanto, fiquei surpreendida. Este molho tanto dá para ser servido como sopa, acompanhado por um pão rustico torrado ou como molho para massa. Já experimentei das duas formas e adorei os resultados.

Parece ser uma receita complicada, mas na verdade é muito simples, e é uma receita como gosto: com pouca loiça para sujar.

Creme de beringela e tomate.

Ingredientes:

  • 1 beringela grande
  • 1 cabeça de alho
  • 4 tomates maduros
  • 1 cebola grande
  • Manjericão
  • Sal e pimenta a gosto

Método:

  1. Cortar a beringela ao meio e fazer golpes na polpa em diagonal, temperar com sal, pimenta e um fio de azeite
  2. Cortar a cabeça de alho ao meio e temperar com sal, pimenta e azeite.
  3. Fazer um golpe no cimo do tomate e temperar com sal e azeite.
  4. Num tabuleiro, levar a assar a beringela, com a polpa voltada para baixo, a cabeça de alho e os tomates.
  5. Depois da beringela assada, retirar a polpa, espremer os alhos das cascas e reservar.
  6. Entretanto por a refogar uma cebola picada num tacho com um pouco de azeite. Quando começar a ficar transparente juntar o alho e os tomates assados partidos. Deixar cozinhar por cinco minutos.
  7. Juntar a beringela e deixar cozinhar por mais 5 minutos.
  8. Com uma varinha mágica, passar a sopa/molho e rectificar temperos. Pode deixar a cozinhar por mais 10 minutos. Quanto mais tempo deixar a cozinhar, mais apurada ficará a sopa/molho.
  9. Sirva com umas folhinhas de manjericão.
Standard
Filosofia de Botequim

Das eleições e de um filme

Estou chocada com a votação de hoje. Durante o dia fui ver “As Mil e Uma Noites – Vol. I O inquieto”, e fiquei com a sensação que aquele cenário, apesar de surreal, foi de facto o que se viveu nos últimos anos. O problema, é que depois de hoje aquele filme só ficará descontextualizado pelas dificuldades acrescidas que este pais vai sofrer nos próximos quatro anos. Queria dizer que não compreendo estes resultados, mas a verdade é que compreendo: uma campanha do PS desastrosa, a falha em encontrar consensos à esquerda, e sobretudo uma votação que revela um comodismo a situação actual por parte da grande maioria da população portuguesa. Mesmo assim, ainda tinha uma secreta esperança de uma mudança a esquerda.

As Mil e Uma Noites, Volume 1, O Inquieto – TRAILER from O SOM E A FÚRIA on Vimeo.

Standard
Um dos mil e um tipos de azulejos que podemos ver em Lisboa

Um dos mil e um tipos de azulejos que podemos ver em Lisboa

Olhar através da Câmara

Olhar através da Câmara

Image
Sabores na Cozinha do Botequim

O pedido da Ana

Esta semana tem sido uma azáfama. Ando a ajeitar e a moldar-me a uma nova forma de trabalhar e de estudar. Estou sobretudo a trabalhar a partir de casa e, iniciado agora o doutoramento, tenho tentado equilibrar as horas de trabalho profissional, académico e pessoal. O não sair de casa para trabalhar, pode parecer muito apelativo em ideia, mas na prática é preciso uma grande organização para poder fazer tudo. E isto, para não falar da tendência para a procrastinação que é muito mais difícil de controlar quando estamos em casa. Por vezes fico com a sensação que o tempo faz-me a desfeita de correr ainda mais depressa para que eu não possa terminar as tarefas com que me comprometi.

Mas dito isto, venho aqui pagar uma divida. A Ana do Frasco de Memórias pediu-me a receita de lasanha vegetariana da foto que publiquei no dia 190 do projecto “365 Grateful”; e como o prometido é devido aqui está ela. Esta é uma receita ovo-lacto-vegetariana que tem rendido muito carnívoro à comida vegetariana.

Apesar de ter deixado de comer regularmente ovos, queijos e de beber leite tenho feito esta receita a pedido de algumas pessoas. Desta vez foi um pedido especial de uma amiga para matar os desejos do cunhado.

Tenho feito muitas receitas vegans, e a verdade é que estou sempre decidida a vir cá partilha-las, o problema é que na hora de tirar as benditas fotos só me lembro de o fazer quando termino de comer. E foi exactamente o que aconteceu com esta lasanha. Só tive tempo de pedir para esperarem que eu tirasse a foto ao último resto da lasanha antes de acabarem com ela. Por isso peço desculpa pela qualidade de foto, que não é a melhor, mas garanto que ela é muito saborosa.

Lasanha Vegetariana

Lasanha Vegetariana

Ingredientes para 4 pessoas

Para o molho branco:

  • 3 colheres de sopa de manteiga
  • 1 litro de leite a temperatura ambiente ou aquecido
  • 4 a 5 colheres de sopa de farinha
  • sal, pimenta & nós moscada

Para a lasanha:

  • placas de lasanha para irem ao forno
  • queijo mozarela
  • queijo emmenthal
  • 1 curgete grande ou duas médias
  • 2 pimentos vermelho
  • 2 a 3 cenouras grandes raladas
  • um saco de milho congelado
  • 4 a 5 tomates
  • Sal, pimenta & orégãos

Método:

  1. Começamos por fazer o molho branco. Numa panela funda por, em lume brando, a manteiga e deixar derreter. Depois de derretida, juntar a farinha e mexer bem até criar uma pasta. Neste ponto começar a deitar o leite aos poucos e mexer sempre para não criar grumos. Mexer até engrossar. No fim, temperar com sal, pimenta e noz-moscada. (Para quem não sabe fazer molho bechamel recomendo este vídeo da Kerryann Dunlop.
  2. Fatiar as curgetes longitudinalmente mais ou menos com meio centímetro de grossura (se usarem uma curgete grande recomendo cortar ao meio), fatiar o pimento e o tomate.
  3. O último passo é a montagem. Num pirex pôr um pouco de molho branco no fundo e espalhar antes de por as placas de lasanha a forrar o fundo. Depois é só ir fazendo as camadas pela seguinte ordem: placas de lasanha, curgete, fatias de pimento, cenoura ralada, milho congelado, rodelas de tomate, molho branco e queijo mozarela. É preciso ir temperando com um pouco de sal e pimenta os legumes à medida que eles forem sendo postos em camadas. Quando terminarem os legumes ponham uma última camada de placas de lasanha, o resto do molho bechamel, o queijo emmenthal e por fim os orégãos.
  4. Levar ao forno por 1hora e 20 minutos, a 200º, para cozinhar as placas de lasanha e apurar bem os legumes. Se começar a durar muito é só cobrir com um pouco de folha de alumínio. Normalmente sirvo com uma salada de alface, rúcula, cebola e coentros.

Bom apetite.

Standard